10 livros de autoajuda que vão transformar sua vida para melhor

Os livros de autoajuda podem ser ótimas fontes de reflexões e inspiração sobre como podemos transformar nossa vida em algo menos complicado e com mais momentos de felicidade. Afinal, não é à toa que eles estão sempre listados entre os mais vendidos das livrarias. Com uma linguagem mais simples e descontraída, podem nos passar lições importantíssimas ou contar histórias emocionantes, nos mostrando que todas as pessoas passam por dificuldades na vida, muitas vezes muito parecidos, e que não estamos sozinhos. 

Publicidade

Neste post, selecionamos 10 livros de autoajuda fundamentais para a sua estante, que refletem sobre o sentido da vida, a busca pela felicidade e transformação pessoal. E para você ter um gostinho do que vai encontrar, separamos algumas frases e trechos de cada livro. Além disso, incluímos também algumas dicas bônus com outros títulos interessantes dos autores listados. 

Boa leitura!

1. Quem Mexeu no Meu Queijo? (1998), Dr. Spencer Johnson

Este primeiro livro que selecionamos é praticamente um clássico da categoria autoajuda. Contado a partir de uma parábola onde dois ratos e dois humanos vivem em um microcosmos de um labirinto. Na sua busca por queijo, o livro consegue falar sobre mudanças, a convivência dentro de uma comunidade e o sucesso de forma muito simples e divertida. Com pouco mais de 100 páginas, é uma daquelas leituras rápidas que nos deixa pensando. 

Felicidade não é ter o que você quer, é querer o que você tem.
Quem Mexeu no Meu Queijo? Dr. Spencer Johnson
Quanto mais rápido você esquece o velho queijo, mais rápido encontra um novo.
Quem Mexeu no Meu Queijo? Dr. Spencer Johnson
O que você faria se não tivesse medo?
Quem Mexeu no Meu Queijo? Dr. Spencer Johnson

Publicidade

2. O Monge e o Executivo: Uma História sobre a Essência da Liderança (1998), James C. Hunter

Um livro sobre como se tornar uma pessoa melhor. Um famoso empresário abandona sua brilhante carreira para se tornar um monge beneditino. No seu retiro, ele descobre o verdadeiro significado da liderança e como se relacionar com outros através não do poder, mas da conquista pelo amor. Um fenômeno de vendas desde o seu lançamento, o Monge e o Executivo vai muito além das relações de trabalho. 

Ouvir é uma das mais importantes habilidades que um líder pode escolher para desenvolver.
O Monge e o Executivo. James C. Hunter
Todas as boas intenções do mundo não significam nada se não forem acompanhadas por nossas ações.
O Monge e o Executivo. James C. Hunter
O verdadeiro compromisso envolve o crescimento do indivíduo e do grupo, juntamente com o aperfeiçoamento constante. O líder comprometido dedica-se ao crescimento e aperfeiçoamento de seus liderados.
O Monge e o Executivo. James C. Hunter

3. Nunca desista de seus sonhos (2004), Augusto Cury

O psiquiatra Augusto Cury é considerado um dos autores brasileiros mais lidos atualmente e Nunca desista de seus sonhos é um dos seus livros mais famosos. Aqui, ele se debruça sobre a nossa capacidade de sonhar e como os nossos sonhos nos ajudam a encontrar nossos objetivos e metas e traçar nosso percurso para a realização deles. A partir deste pensamento, ele analisa a trajetória de grandes personalidades da história da humanidade, como Jesus Cristo e Martin Luther King Jr. 

Os sonhos trazem saúde à emoção, equipam os frágeis para serem autores da sua história, renovam as forças do ansioso, animam os deprimidos, transformam os inseguros em seres humanos de raro valor. Os sonhos fazem os tímidos terem rompantes de ousadia e os derrotados serem construtores de oportunidades.
Nunca desista de seus sonhos. Augusto Cury
O que diferencia os jovens que fracassam dos que têm sucesso não é a cultura académica, mas a capacidade de superar as adversidades da vida.
Nunca desista de seus sonhos. Augusto Cury
Devemos gravar isto: nos primeiros trinta segundos de tensão, cometemos os maiores erros das nossas vidas. Nos focos de tensão, bloqueamos a memória e reagimos sem pensar, por instinto.
Nunca desista de seus sonhos. Augusto Cury
  • Dica Bônus: O vendedor de sonhos (2008), Augusto Cury

4. O Segredo (2006), Rhonda Byrne

Um dos maiores best-sellers dos livros de autoajuda, O Segredo é baseado no princípio da Lei da Atração. Segundo esta lei, os pensamentos das pessoas são mais do que pensamentos vagos, mas frequências vibratórias que atraem frequências semelhantes e repelem os distintos. Por isso, os pensamentos moldam a realidade da vida das pessoas. O Segredo argumenta sobre como o pensamento positivo pode atrair mudanças na vida das pessoas, aumentando não só a felicidade, mas também a saúde e a riqueza, por exemplo. O livro conta também com um documentário de mesmo nome, lançado alguns meses antes do livro. 

Este é um Universo de inclusão, e não de exclusão. Nada é excluído da lei da atração. Sua vida é um espelho dos pensamentos dominantes que você tem.
O Segredo. Rhonda Byrne

Publicidade

Sua mente tem um poder de fabricar a realidade. O que você pensa, você sente, o que você sente, você vibra, o que você vibra você atrai para si. Somos seres vibracionais que interagem com o universo.
O Segredo. Rhonda Byrne
Decida o que quer. Acredite que pode tê-lo. Acredite que o merece e acredite que é possível!
O Segredo. Rhonda Byrne

5. A Mágica da Arrumação: A Arte Japonesa de Colocar Ordem na Sua Casa e na Sua Vida (2011), Marie Kondo

Esse aqui pode não parecer um livro de autoajuda à primeira vista, mas A Mágica da Arrumação é muito mais do que um livro sobre organização da casa.  

A japonesa Marie Kondo se tornou um verdadeiro fenômeno após o lançamento deste livro. Nele, ela que apresenta um método transformador muito simples, prático e eficiente que te ajuda a colocar em perspectiva não somente a quantidade de coisas que você tem, mas o valor afetivo que elas têm para você. Te mostra que, cercado por coisas que te trazem alegria, você pode viver uma vida muito mais feliz e motivada. 

O sucesso do livro e do método KonMari também rendeu uma série produzida pela Netflix, a Ordem na Casa com Marie Kondo, onde a autora visita e ajuda famílias americanas a se organizarem. 

A arrumação depende de valores pessoais ligados ao modo como cada um deseja viver.
A Mágica da Arrumação. Marie Kondo
A conscientização da pessoa e seu estilo de vida são infinitamente mais importantes do que qualquer habilidade para organizar coisas.
A Mágica da Arrumação. Marie Kondo
A desorganização visível serve para nos distrair do verdadeiro motivo da desordem.
A Mágica da Arrumação. Marie Kondo
  • Dica Bônus: Isso Me Traz Alegria: um guia ilustrado da mágica da arrumação (2015), Marie Kondo

6. O Poder do Hábito: Por que Fazemos o que Fazemos na Vida e nos Negócios (2012), Charles Duhigg

Ao desvendar como os nossos hábitos funcionam, o autor Charles Duhigg consegue mostrar como podemos mudá-los, seja eles pequenos e (aparentemente) insignificantes na nossa vida ou que possuam grande impacto. Embora possa parecer um livro mais voltados ao sucesso profissional e negócios, o livro possui diversas lições que podem ser inseridas em qualquer área da vida. Tudo isso é contado a partir de teorias da ciência, como a neurociência, em conjunto com histórias de pessoas reais. 

Os hábitos, dizem os cientistas, surgem porque o cérebro está o tempo todo procurando maneiras de poupar esforço. Se deixado por conta própria, o cérebro tentará transformar quase qualquer rotina num hábito, pois os hábitos permitem que nossas mentes desacelerem com mais frequência.
O Poder do Hábito. Charles Duhigg
Se você tem um hábito ruim, ele está sempre ali à espreita, esperando as deixas e recompensas certas. Isso explica por que é tão difícil criar o hábito de fazer exercícios, por exemplo, ou de mudar nossa alimentação. Uma vez que adquirimos uma rotina de sentar no sofá em vez de sair para correr, ou de fazer um lanchinho sempre que passamos por uma caixa de donuts, esses padrões continuam para sempre dentro das nossas cabeças.
O Poder do Hábito. Charles Duhigg
Uma vez que uma pequena vitória foi conquistada, forças que favorecem outra pequena vitória são postas em movimento. Pequenas vitórias alimentam mudanças transformadoras, elevando vantagens minúsculas a padrões que convencem as pessoas de que conquistas maiores estão dentro de seu alcance.
O Poder do Hábito. Charles Duhigg

7. A Coragem de Não Agradar (2013), Ichiro Kishimi e Fumitake Koga

Inspirado nas ideias de Alfred Adler, fundador da psicologia do desenvolvimento individual, A Coragem de Não Agradar é escrito como um diálogo entre um jovem frustrado com sua vida e um filósofo que acredita que a felicidade está ao alcance de todas as pessoas. Ao longo de cinco noites, o filósofo vai desconstruindo as ideias do jovem, debatendo sobre auto aceitação, relações pessoais, conflitos, entre outros assuntos que despertam no jovem outra forma de enxergar a vida. 

Filósofo: (...) Para começar a corrigir nossos erros e mudar de verdade, é preciso parar de pensar que tudo é competição, uma questão de vencer ou perder.
A Coragem de Não Agradar. Ichiro Kishimi e Fumitake Koga
Filósofo: (...) O mundo é simples e a vida também.

Jovem: Como assim? Qualquer um vê que o mundo é um caos cheio de contradições.

Filósofo: Mas isso não acontece porque o mundo é complicado. Acontece porque você está transformando o mundo em algo complicado.

A Coragem de Não Agradar. Ichiro Kishimi e Fumitake Koga

Publicidade

Filósofo: Não se esqueça deste fato: é preciso mudar. Você, do jeito que é, precisa escolher o seu estilo de vida.
A Coragem de Não Agradar. Ichiro Kishimi e Fumitake Koga

8. A Sabedoria da Transformação: Reflexões e Experiências (2014), Monja Coen

Escrito de forma leve e bem-humorada por Monja Coen, missionária da tradição budista Sôtô Zenshû, A Sabedoria da Transformação utiliza fatos históricos e do seu cotidiano para refletir sobre a importância de se olhar para as próprias ações no cotidiano. Coen fala sobre as pequenas ações e as práticas simples que podemos adotar para fazermos parte da transformação que queremos para o mundo. 

A vida é um processo em si mesma, tendo começo, meio e fim. A morte é um processo em si mesma, tendo começo, meio e fim. A vida não se transforma em morte. A morte não torna a ser vida. Devemos apreciar a vida assim como ela é.
A Sabedoria da Transformação. Monja Coen
Meditar é como entrar no mar. No início, só percebemos as marolas à beira da praia. Mas o mar não são apenas as marolas, embora as marolas sejam o mar. Da mesma forma, há pensamentos, estímulos de tudo o que recebemos desde antes de nascer, que podem surgir em nossa mente.
A Sabedoria da Transformação. Monja Coen
  • Dica Bônus: O Inferno Somos Nós: do Ódio à Cultura de Paz (2018), Monja Coen e Leandro Karnal; Nem anjos nem demônios: A humana escolha entre virtudes e vícios (2019), Monja Coen e Mário Sérgio Cortella

9. O Milagre da Manhã (2016), Hal Elrod

Um sucesso de vendas desde o seu lançamento, certamente você já deve ter esbarrado nesse aqui em alguma livraria, em alguma lista de best-sellers ou até mesmo como indicação em blogs, redes sociais ou canais no Youtube. O milagre do amanhã descreve o método criado pelo autor para melhorar diversas áreas da vida através de práticas diárias simples. A principal proposta é passar a acordar mais cedo e dedicar o primeiro momento do dia para si mesmo, com práticas de meditação, leitura, exercício físico, escrita e da elaboração de metas para traçar os seus objetivos.

A realidade é que, se não mudarmos agora, nossa vida não mudará. Se não melhorarmos, nossa vida não melhorará.
O Milagre da Manhã. Hal Elrod
Abra mão da necessidade de ser perfeito para que a oportunidade seja autêntica. Seja quem você é. Ame quem você é. Os outros farão o mesmo.
O Milagre da Manhã. Hal Elrod
Acreditamos, de maneira errada, que quem fomos é quem somos, e isso limita nosso potencial verdadeiro no presente, baseado nas limitações do passado.
O Milagre da Manhã. Hal Elrod

10. Por Que Fazemos o Que Fazemos? (2016), Mário Sérgio Cortella

O filósofo brasileiro Mário Sérgio Cortella aborda em Por que fazemos o que fazemos? as preocupações da vida contemporânea sobre o trabalho cotidiano. Uma obra fundamental para pensar o sucesso profissional, traz uma reflexão sobre valores e lealdade e, especialmente, a busca por reconhecimento por aquilo que fazemos. 

Quem começa o dia de trabalho com um nível de tristeza precisa reinventar as razões pelas quais faz aquilo que faz. Isto é, qual é o seu propósito? Se esse for tão somente ganhar dinheiro, então, não sofra. É para isso. Pronto. Se for realizar-se, ter uma percepção autoral, obter reconhecimento, então esse ó lugar ou ofício errado.
Por Que Fazemos o Que Fazemos? Mário Sérgio Cortella
Muita gente se queixa da rotina do trabalho. Vale lembrar que rotina não é sinônimo de monotonia. O que faz com que haja um enfado em relação ao cotidiano profissional é a monotonia, não a rotina.
Por Que Fazemos o Que Fazemos? Mário Sérgio Cortella
A finalidade da tecnologia e da robotização é exatamente libertar a gente desse trabalho monótono.
Por Que Fazemos o Que Fazemos? Mário Sérgio Cortella
  • Dica Bônus: Viver em Paz Para Morrer em Paz (2017), Mário Sérgio Cortella; A sorte segue a coragem! (2018), Mário Sérgio Cortella.

11. O Dilema do Porco Espinho: como encarar a solidão (2018), Leandro Karnal

Historiador e um dos intelectuais mais influentes no Brasil, Leandro Karnal reflete neste livro sobre como a solidão na vida contemporânea. A partir da parábola do porco-espinho, escrita pelo filósofo Arthur Schopenhauer, O autor explora as relações humanas, passando por referências religiosas, filosóficas, culturais e suas experiências e pensamentos pessoais sobre a solidão e os seus impactos. 

A solidão aparentemente pesa mais em um mundo onde a felicidade é uma cláusula pétrea. Nunca sorrimos tanto nas redes e nunca tomamos tantos remédios para dormir, para ser viril ou para acordar.
O Dilema do Porco Espinho. Leandro Karnal

Publicidade

A leitura de bons livros que nos possibilitaria conhecimento, introspecção inteligente e boa companhia vem perdendo adeptos... Diante de um livro aberto, colocamo-nos como viajantes prestes a embarcar em um porto de possibilidades.
O Dilema do Porco Espinho. Leandro Karnal
Por que escritores, através dos séculos, escolhem falar de solidão em suas obras? Pra o cineasta Orson Welles, a resposta era a frase pessimista 'o homem nasce só, vive só e morre só. O amor e a amizade dão-nos a ilusão, momentaneamente, de não estarmos só.
O Dilema do Porco Espinho. Leandro Karnal
  • Dica Bônus: Crer ou Não Crer (2017), Leandro Karnal e Padre Fábio de Melo; Felicidade: Modos de usar (2019), Leando Karnal, Mário Sérgio Cortella e Luiz Felipe Pondé.

Gostou da nossa lista sobre livros de autoajuda? Confira também nossas indicações de livros de romance!